quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Especial- Jogos Abertos- Resultados


Os Jogos Abertos do Interior é a competição mais tradicional do Brasil, sendo o evento que reune mais atletas até mesmo que a olimpíada, com 17.000 participantes nesta edição. A competição é disputada anualmente desde 1990 mas com algumas interrupções ela acontece desde 1936, quando a cidade de Monte Alto foi sede.

Os esportes disputados foram: Atletismo, basquete, biribol, bocha, canoagem, boxe, capoeira, ciclismo, damas, futebol, futsal, ginástica artística, Ginástica Rítmica, handebol, judô, Karatê, luta, malha, natação, Quimbol, tawekondo, tênis, tênis de mesa, volei de praia, volei e xadrez. Aqui no blog, claro, daremos ênfase a estas modalidades que são olímpicas.
No cômpito geral da classificação, São Caetano saiu com mais um título, o nono em 10 anos, vencendo com um total de 341 pontos, contra 293 de São Bernardo e 258 de São José. Os donos da casa, os piracicabanos, ficaram na quarta posição, à frente de Santos e São José do Rio Preto. Uma das inovações rescentes dos Jogos foi a inclusão de uma segunda divisão, com a presença de quase 200 cidades, todas da disputa exceto as 12 mais fortes. A campeã da segunda divisão foi Suzano, com 160 pontos, sete a frente de Guarulhos.

Nas medalhas, a equipe do São Caetano levou 134 ouros, 83 pratas e 38 bronze, totalizando 255 medalhas, 80 a mais que a segunda colocada neste quesito, São Bernardo, que teve 78 ouros e um total de 175. São José do Rio Preto ficou com 43 ouros, dois à frente dos donos da casa, que ficaram na quarta posição apenas uma medalha à frente de Santos, que ficou em quinto.
Ao todo, 112 cidades ganharam medalhas e 131 pontuaram no quadro oficial.

A cidade de Santos recebeu a bandeira dos Jogos Abertos do Interior Baby Barioni, como rito simbólico da passagem de sede de Piracicaba para Santos, que é oficialmente a próxima cidade a sediar a maior competição amadora da América Latina. A passagem foi passada pelo prefeito Barjas Negri ao titular da Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo do Estado de São Paulo, que a repassou para o chefe da delegação de Santos, José osvadl da Fonseca Marcelino (Negrelli).
Durante a solenidade, todos externaram a felicidade de realizar evento de tamanha magnitude em que o objetivo de confraternizar, passar valores importantes, promover o esporte e animar a torcida.
A importância dos Jogos Abertos para a maioria das modalidades é muito grande. Os nacionais de volei, basquete e handebol, por exemplo, foram interrompidos para os times disputarem o evento polidesportivo. No tawekondo, boxe e no ciclismo pista, as competições foram as mais importantes do ano no território nacional, na opinião dos próprios atletas. No tênis, alguns dos principais tenistas da atualidade marcaram presença enquanto no tênis de mesa tivemos Hugo Hoyama como grande campeão. No judô e na luta muitos dos principais atletas brasileiros estiveram presentes, o mesmo acontecendo na natação, em que Kaio Márcio, finalista olímpico, foi o principal nome, além de Fabiola Molina e Diogo Yabe.

As cidades participantes dão um valor muito grande para a competição, o que leva a aumentar a importância do torneio. As prefeituras despejam dinheiro em atletas e imprensa e cobrem cada passo de seus participantes, comemorando cada uma das medalhas. É um clima agradável em que os torcedores torcem para suas cidades como se fossem sua pátria ou mesmo seu clube de futebol.

A presença da ESPN Brasil foi espetacular. Mais uma vez, a TV de José Trajano deu um show, com um jornal diário com reportagens muito boas, além de transmissões ao vivo dos principais jogos dos esportes coletivos, como vôlei, handebol, basquete e futsal. Sinti falta apenas de transmissão ao vivo de esportes como atletismo e natação, que não são coletivos, mas são os mais tradicionais de eventos poliesportivos.

Porém, o evento teve seus defeitos. O grande número de atletas, superior a 17.000, faz com que o inchaço do torneio vá contra seu sucesso. Com tantos atletas, são poucas as cidades que terão a capacidade de abrigar o torneio. Precisa-se fazer algo para conter esse aumento abusivo do número de atletas.

Outro defeito, muito bem colocado por José Trajano, é a camisa de fachada. Todos sabem que São Caetano tem um clube que investe muito nos esportes, e por isso tem em sua equipe medalhistas olímpicos como Natalia, do taewkondo, Fofão e Mari, do vôlei, e outros atletas consagrados como Edinanci Silva do judô. Perfeito que todos esses atletas defendam São Caetano. Mas por exemplo, qual é a identificação que Sandra Pires tem com Piracicaba? Nenhuma. Ela veio, foi ouro, foi embora e nada levou nem trouxe aos Jogos Abertos.

Não sei porque no evento não temos esportes como badminton, pólo aquático, remo, esgrima entre outros que fazem parte do programa olímpico. Mas seria muito interessante se tivesse para massificar ainda mais esses esportes. Mas teria que contra balancear, diminuindo o número de atletas em outros esportes.

Um fator positivos dos Jogos é que algumas modalidades já estão tendo provas paraolímpicas, como no atletismo e no tênis de mesa. São pequenos passos para que, em breve, termos os Jogos abertos paraolímpicos.

Resumo das modalidades OLÍMPICAS disputadas em Piracicaba.
Atletismo Na classificação final, vitória do time de São Caetano do Sul com 215 pontos, contra 130 do Piracicaba, vice campeão da primeira divisão. Lembrando que São José do Rio Preto foi o melhor nas provas paraolímpicas enquanto Suzano e Sertãozinho empataram na primeira posição da segunda divisão.
O melhor resultado, sem dúvida, veio no salto em distânicia, com Mauro Vinicius Silva, atleta que participou da olimpíada, e que venceu em Piracicaba com 8m20, salto que lhe daria uma vagan a final das olimpíadas. O time vencedor ainda contou com Fabiana Murrer, que disputou tranquila a prova, e venceu com 3,80, 1m abaixo de sua melhor marca. Alessandra Resende, no dardo, Elisângela Adriano, no disco, Anselmo Gomes, nos 110m com barreira e Tânia Ferreira no salto triplo, todos olímpicos, venceram suas provas defendendo a equipe do ABC.
Suzano também se destacou muito, com vitórias nas provas de meio fundo e fundo, com Geisa Coutinho, Fabiano Peçanha e Christiane Ritz, além do grande resultado de Dênis Almeida no decatlo, com 7100 pontos. Sertãozinho levou o ouro na prova mais rápida, os 100m rasos, com Julio Cesar Silva, que correu a prova em 10s53.

Basquete: Mais um desastre do basquete masculino brasileiro, numa final que não acabou.
No feminino, o time de melhor campanha dos Jogos Abertos do Interior até a final, o Ourinhos mais uma vez não fez valer o favoritismo em uma decisão de campeonato, desta vez em Piracicaba. Sob o olhar do seu ex-técnico e atual comandante da seleção brasileira, Paulo Bassul, a equipe de Êga e Micaela não foi páreo para o Catanduva e acabou derrotada por 77 a 52 em uma reedição da final Campeonato Paulista de basquete feminino.
A partida final do basquete masculino entre Vivo/Franca e Limeira, último evento da programação da “Olimpíada Caipira”, não chegou ao fim. Um tumulto generalizado no Ginásio Waldemar Blatkauskas, envolvendo jogadores, comissões técnicas e um torcedor que invadiu a quadra impediu que a festa fosse completa.

O problema se deu quando restavam 5 minutos e 47 segundos e Limeira vencia por 92 a 89. Márcio fez falta em Nezinho, que caiu e bateu a cabeça na quadra. Um torcedor invadiu a quadra e socou o francano. Os jogadores locais reagiram e o perseguiram. Depois de momentos de pugilato explícito, sem clima para continuar o jogo, os técnicos Hélio Rubens Garcia e Luís Augusto Zanon decidiram abandoná-lo. A decisão deverá ser no tapetão.
A partida já começou tensa. A arbitragem - ligada à Secretaria de Esportes e Lazer do Estado - despreparada, irritou francanos e limeirenses no primeiro tempo, vencido 58 a 53 para Limeira. Após o intervalo, tudo seguiu tranqüilo até que Márcio Dornelles cometeu uma falta dura contra Nezinho, dentro do garrafão francano. Na queda, o armador bateu a cabeça no piso da quadra. Bruno Fiorotto discutia com o francano quando um torcedor não identificado entrou na quadra e agrediu o ala com um soco na cabeça. Márcio e outros atletas francanos correram atrás do invasor. A Guarda Civil de Piracicaba teve de conter o tumulto.

Após uma longa conversa, os treinadores de Franca e Limeira decidiram retirar seus times da partida. A decisão sobre o campeão da modalidade nos Jogos Abertos será do Tribunal de Justiça Desportiva da Secretaria de Esportes e Lazer do Estado. Segundo a ESPN-Brasil, Nezinho foi parar no hospital com sangramento na nuca.

Boxe Nos Jogos Abertos, o boxe feminino já tem vez, ao contrário do que acontece nos Jogos Olímpicos, e quem levou a melhor entre as mulheres foi São Caetano e São José dos Campos com 23 pontos cada.

Entre os homens, São Caetano levou a melhor com 46 pontos, contra 33 de São José dos Campos e 24 de São José do Rio Preto. O boxe teve a participação dos principais boxeadoresdo Brasil.
O quadrifinalista olímpico Paulo Carvalho levou o ouro na categoria até 48kg para São Caetano. Na categoria até 54kg, tivemos talvez a principal luta da competição, com a final entre Robenílson de Jesus, de São José, e participante olímpico em 2008 e James Dean, participante em Atenas 2004, de São Caetano. Melhor para Robenílson.
Robson Conceição, participante de Pequim na categoria até 57kg, vencendo para o São Bernardo do Campo. Na categoria até 60kg, o medalhista de prata no Pan de 2007 e participante olímpico levou o ouro para São Bernardo.
Na categoria até 69kg, Yamaguchi Falcão, distante de sua categoria até 75kg, foi bronze, perdendo para Pedro dos Santos Lima, que ficou com ouro vencendo na final Esquiva Falcão.

O site da CBBOXE fez uma boa informação e leva a pensar de que serve os Jogos Abertos, se os atletas são contratados pela cidade, o que não faz com que se desenvolva a modalidade na cidade. Das 11 medalhas de ouro no boxe desta 72ª edição que foi realizada em Piracicaba, 9 foram conquistadas por atletas baianos, 1 por paraense e 1 por pugilista de Mato Grosso do Sul.
Não é a primeira vez que este tipo de resultado sem maiores expressões paulistas acontece. Entre as principais razões para isso duas se destacam:
1ª) A maioria dos municípios prefere contratar atletas formados por outros estados à investir no desenvolvimento do boxe na própria cidade, sem levar em conta que a longo prazo o resultado seria menos custoso e o retorno maior para a cidade. Como a regulamentação da competição não impede a “imigração”, São Paulo fica sem atletas campeões no boxe.
2ª) A maior parte dos eventos realizados em São Paulo, não segue critérios adotados universalmente pela regulamentação do Boxe Olímpico. Por este motivo, por não praticarem o verdadeiro boxe olímpico, perdem-se em São Paulo inúmeros talentos que poderiam ter seu potencial aproveitado de maneira mais produtiva. Da forma como acontece, fica-se mais sujeito às eventuais observações por parte da Confederação Brasileira com relação à potencialidade do boxeador do que a aplicação cientifica e moderna do trabalho nos pugilistas oriundos de São Paulo.

A canoagem não teve a participação de grandes atletas pois a seletiva para o campeonato sul-americano foi disputada no mesmo fim de semana e o torneio continental será disputado na próxima semana. Pindamonhangaba venceu, seguido pela equipe da casa Piracicaba e de São José do Rio Pardo. O mais interessante da competição foi o fato de termos diversas categorias para jovens, inclusive nascidos no ano de 1994, mostrando interesse no futuro do esporte.

Ciclismo O tamanho do evento no ciclismo pista pode até ter prejudicado a modalidade no Brasil. O campeonato nacional foi, segundo a Confederação Brasileira, adiado devido a proximidade com o evento paulista. E os principais atletas brasileiros estiveram presentes. No fim das provas de pista, quem levou melhor foi São José com 49 pontos.
Na prova de velocidade por equipes, medalha de ouro para São José dos Campos e prata para São Caetano do Sul. Na segunda divisão, ouro para Suzano.
Na velocidade feminino, Maira Hendi, vencedora do prêmio do COB, de São Bernardo, ficou com a medalha de ouro, à frente de Sumaia Ribeiro de Pindamonhamgaba. Na segunda divisão, ouro para Thabata Sartorelli, de Boituva. Ainda entre as mulheres, Natalia Lima foi ouro por pontos para São Caetano.
No masculino, Marcos Novello conquistou a medalha de ouro para Santos na prova por pontos, em uma prova de superação, já que lutou diretamente com os melhores sprintistas do País, fugindo de suas características, pois é umpassista, sem tanta explosão para as velocidades finais.A prova é diferenciada e a cada volta os dois primeiros atletas que cruzam a faixa de chegada ganham, respectivamente, dois e um ponto. Nachegada final, o vencedor soma oito pontos, o segundo sete, terceiro seis até o oitavo, que soma um ponto.Novello venceu com 14 pontos seguido por Walter Miguel, de São do Caetano do Sul (13) e Daniel Rogelin (12). Na prova de velocidade, ouro para Marcos Vinicius Alcântara.

Na prova de resistência, ouro para Debora Cristina, de São José dos Campos, e Renato Seabra, que já participou de olimpíada, no masculino, também para São José.

No futebol feminino, A final foi emocionante. A decisão aconteceu apenas depois dos pênaltis. Foi após um empate de zero a zero no tempo normal e na prorrogação que a equipe de São José faturou o ouro vencendo Araraquara por 5 a 3. Foi dos pés de Luize, Cubana, Fernanda, Ana Paula e Flavinha e das mãos da goleira Silvana com uma belíssima defesa que a torcida foi à loucura. O técnico Márcio de Oliveira, sua equipe técnica e as jogadoras comemoraram com muito choro e alegria o título. “Foram vários anos no quase. Agora sim podemos respirar e agradecer. A equipe se manteve forte e unida. Somos campeões”, salientou aliviado o técnico joseense.

Ginástica Artística: Entre os homens, São Caetano do Sul foi campeão por equipes, com um total de 327,495 pontos, à frente de Santos e São José dos Campos. A equipe do ABC foi comandada por Arthur Zanetti, medalhista em etapa da Copa do Mundo esse ano. Apesar de ter perdido por equipes, Santos levou com Caio Américo Costa o título do individual geral e ficou com quatro dos seis títulos por aparelhos.
Entre as meninas, São José do Rio Preto foi a campeã com 185,9 pontos, deixando a prata para Jundiaí e o bronze para as donas da casa, as piracicabanas. Samira Cangiani Santos, de Piracicaba, foi o destaque, levando além do ouro no individual, venceu o solo e as paralelas e foi prata no salto.
Na classificação geral,

Ginástica Rítmica: São Caetano do Sul foi o grande destaque da modalidade, levando medalha de ouro no conjunto duas bolas e três arcos
Entretanto, quem foi melhor nas provas individuais foi a cidade de Campinas, que levou ouro com Lais Lopez nas competições individuais.
Pentacampeã dos Jogos Abertos do Interior, a seleção campineira de ginástica rítmica perdeu a hegemonia no ano passado, quando ficou em segundo lugar. Neste ano, sabendo que São Bernardo do Campo (campeã de 2007) e São Caetano do Sul se reforçaram em busca da medalha de ouro em Piracicaba, Campinas foi mais longe.Convidou a técnica búlgara Yordanka Nikolaeva Zarkova para ficar uma semana com a equipe e passar um pouco de seus conhecimentos às atletas. Yordanka tem um currículo recheado de conquistas. Se pudesse ser comparada aos jogadores de futebol, estaria no mesmo patamar de Zico ou Romário. Durante 12 anos foi atleta do RSG Levski de Sofia, onde conquistou diversos torneios nacionais e internacionais. Defendeu a Seleção Búlgara no individual e conjunto, foi técnica assistente da seleção da Bulgária e também treinadora do clube Levski por mais de dez anos. Sua melhor atleta, Magika Dimitrova, já foi duas vezes campeã nacional em sua categoria e hoje integra a equipe nacional, vice-campeã européia. Yordanka também trabalhou como técnica em Seul, Cairo e Alexandria. Atualmente, ela treina a equipe Soyos Woman Care, em Cotia, e faz clínicas de treinamento intensivo com outros grupos. 'As meninas de Campinas são muito boas e merecem ser campeãs. Para vencer, é preciso superar o medo e não errar', ensina a treinadora, chamada de Dani pelos brasileiros. A seleção campineira é dirigida pelas técnicas Thaís Franco Bueno, Renata Festa Rezende de Carvalho e Raquel Gobbo. As ginastas são Thaís Gonçalves, Priscilia Teixeira Leite, Fernanda Festa Rezende, Gabriela Ribeiro dos Santos, Jéssica Silva Bormio e Laís Lopes Pascoalino. 'A presença dela nos ajuda bastante porque é uma profissional com muita experiência em nível mundial. Ela veio acrescentar muito ao nosso trabalho', conta Thaís.

Handebol: Em partida equilibrada o time de handebol masculino de São Bernardo do Campo, divisão especial, conquistou a medalha de ouro ao vencer por 25 x 23 a equipe de São Caetano do Sul, que ficou com a de prata. Ambas contam com participação de vários jogadores e ex-jogadores da Seleção Brasileira de handebol, entre eles o goleiro Alê que defendeu a equipe de São Bernardo e o técnico da Seleção Brasileira, Washington Nunes, que esteve a frente da equipe de São Caetano do Sul.
No feminino, outra vitória de São Bernardo. A equipe feminina venceu Santo André na decisão por 24 a 22 e chegou ao segundo título consecutivo.

Judô São Caetano levou a melhor, vencendo na pontução geral tanto no masculino como no feminino. O gosto amargo foi por conta da derrota na competição por equipes feminino.
Na competição por equipes, Piracicaba fez bonito no judô feminino e as atletas conquistaram o segundo lugar, ficando com a medalha de prata. A campeã foi a cidade de São Bernardo do Campo, surpreendendo o time de São Caetano. Na pontuação geral feminina, São Caetano venceu com 83,5 pontos, contra 59,5 de São José e 57 de Santos e São Bernardo.
Nas categorias individuais, seis ouros para a cidade do ABC. Edinanci Silva fez bonito, levou duas medalhas de ouro, nas categorias pesado e absoluto, mesmo fora de sua categoria, que na verdade é a meio pesado. Esta, foi vencida por Claudirene Cezar, sua reserva na seleção. Danielli Yuri, prata no Pan e participante na olimpíada, venceu sua categoria. atleta olímpica Andressa Fernandez, que defende Santos, venceu a categoria meio leve, na única medalha de ouro que saiu das mãos de São Caetano ou São Bernardo nas categorias femininas.
No masculino, Leandro Gonçalvez, de Santos, ficou com duas medalhas de ouro, nas categorias meio pesado e absoluto. Alexandre Lee, participante olímpico em 2004 e bronze no Pan do ano passado, venceu sua categoria, o mesmo acontecendo com Breno Alvez, que representou o Brasil no mundial do ano passado. Flavio Honorato, irmão de nosso medalhista olímpico, venceu os meio médios para São Caetano enquanto seu irmão foi prata na categoria pesada, perdendo exatamente para Leandro. Walter Costa, reserva na olimpíada dos pesados, levou ouro nesta categoria. Por equipes, São Caetano confirmou o favoritismo com Pinadamonhamgaba em segundo.

Competindo em uma categoria acima, na pesado, e depois na absoluto (sem limite de peso), a judoca não tomou conhecimento das adversárias e venceu suas sete lutas por ippon. “Acho que me dei bem por me movimentar bastante e nessas categorias as atletas serem mais plantadas. Gostei, mas vou continuar na meio-pesado”, garantiu a judoca, há 11 anos defendendo as cores da cidade.
Sobre o resultado abaixo do esperado na disputa por equipes, Edinanci admitiu um certo excesso de confiança. “Nosso grupo é muito forte tecnicamente e ontem fomos um pouco displicentes. Mas enquanto houver investimento, São Caetano pode cobrar o resultado”, destacou, ao deixar um aviso para as adversárias: “Tenho mais um ciclo olímpico. O sonho de uma medalha não acabou.”
Outra peça importante na conquista foi o meio-médio Flávio Honorato. O irmão mais novo do medalhista olímpico Carlos Honorato (prata em Sydney, em 2000) fez uma final emocionante contra Marcelo Contini, de São José dos Campos, vencendo no golden score. “Essa vitória estava engasgada”, destacou o judoca, que em dez participações nos Jogos Abertos do Interior, venceu oito – os vice-campeonatos foram justamente em 2006 e 2007. “Foram dois anos de contusões, sem regularidade de treinamento. Agora posso pensar em voltar à seleção. Estou na pegada.”
Lutas Olímpicas: São Bernardo dominou a luta olímpica nos Jogos Abertos do Interior, em Piracicaba. Com vários atletas da Seleção Brasileira, a equipe não deu chances aos adversários e levou o título no masculino e feminino, conquistando sete medalhas de ouro. São Caetano ficou com a quarta colocação, chegou a quatro finais, mas não venceu nenhuma.
"Nossa equipe é muito forte. É formada por atletas que treinam a luta olímpica e que está acostumada a disputar competições. Eles estão de parabéns por mais esta conquista", elogiou o técnico Roberto Leitão, que também é superintendente executivo da Confederação Brasileira de Lutas Associadas.

A competição levou os maiores nomes da luta olímpica atual brasileira para os tatames de Piracicaba. Rodrigo Artilheiro, que é seis vezes campeão brasileiro, defendendo São Bernardo do Campo foi ouro na categoria até 120kg. Na categoria até 84kg, Adrian Antoine Abou Jaoude ficou com a medalha de ouro para a mesma São Bernardo. Claudio Calazans Camargo Jr e Raoni Bercellos foram os outros vencedores para a cidade do ABC enquanto Piracicaba levou os outros dois ouros no masculino, com Ednei de Souza Figueira e Iuri Estevão.
No feminino, Piracicaba e São Bernardo dividiram as medalhas com três ouros para cada um. Joyce Souza da Silva, uma das promessas do país, Caroline de Lazzer Cardoso e Aline da Silva Ferreira, vice campeã mundial junior em 2006, venceram para a cidade do ABC enquanto Tania Regina Costa da Silva, Camila Tristão e Dailane Gomes dos Reis venceram para as donas da casa. Gisele Sabrina Lucas da Silva foi ouro para São José.

Natação: Um polêmica rondou as piscinas de Piracicaba antes do início da competição. O regulamento dos Jogos Abertos mudou este ano dando uma maior identificação do atleta e compromisso do mesmo com a cidade que ele irá representar na competição. A partir deste ano, todo e qualquer atleta só pode representar o seu clube/cidade de fevereiro até a data da competição. Fora isso, ele só pode nadar pela escola ou universidade. Isto atrapalhou, e muito, algumas possíveis contratações. Foram várias cidades que tentaram aqui nos Estados Unidos encontrar um atleta de qualidade que não tivesse competido em 2009 que não fosse pela universidade. Quase impossível, ou melhor impossível, até porque não se encontrou e não foi ninguém.

Dentro da água, melhor para a cidade de Santos que venceu os Jogos Abertos na 1a Divisão tanto no feminino como no masculino, totalizando 231 pontos. São Caetano do Sul brigou muito com São Bernardo, e levou, vice nas duas. Na 2a Divisão, deu Ribeirão Preto campeão e Mogi Mirim vice. No feminino, deu Indaiatuba em 3o e no masculino Suzano foi 3o lugar.
Os 800m foram emocionantes com a disputa "interna" de Santos entre Ana Marcela Cunha e Isabelle Longo nos 800 livre com vitória de Marcelinha com 8:44:92 contra 8:45:10. Nos 400m, Isabelle deu o troco e venceu Marcela. Na segunda divisão, uma grata surpresa com as duas vitórias de Marcelo Tomazzini levando os 100 peito (1:00:82) e os 50 peito (27:48), os 200m borboleta(2min00.14) e os 200 peito (2min13s76) por Suzano.

Os destaques de Santos, além de Ana Marcela e Isabele, foram Kaio Márcio, finalista olímpico e três vezes medalhista no Pan do ano passado, que levou os 50m, 100m e 200m borboleta, Luiz Rogério Arapiraca, vencedor dos 1500m, Marcos Sapucaia, vencedor dos 50m.
São José dos Campos teve a participação do casal Diogo Yabe e Fabiola Molina e os dois ganharam, juntos, oito medalhas. Fabiola venceu os 400m medley, 50m e 100m costas enquanto seu marido levou os 200m livre e os 200m e 400m medley. Além disso, a recordista sul-americana foi prata nos 200m medley e Diogo segundo nos 400m livre.

Nos revezamentos, placar de 3x3. Revezamento 4x200m livre emocionante, com São Caetano, venceu na chegada o time de Santos por menos de dois décimos. Santos deu o troco no revezamento masculino, vencendo com 3s de vantagem. No medley feminino, outra chegada emocionante, com vitória de São Caetano sobre Santos enquanto no masculino o time da baixada venceu com cinco segundos de vantagem sobre a equipe do ABC. No 4x100m livre, a terceira vitória de São Caetano no feminino e outra vitória do Santos no masculino.
Daynara de Paula, participante olímpica, ganhou os 100m borboleta para São Caetano do Sul, assim como os 100m livre e 50m borboleta, além de ter participado dos revezamentos, sendo essencial para as vitórias nas últimas braçadas.

No tawekondo, muita confusão na competição mais importante do ano da modalidade. Neste dia houve algumas manifestações indesejáveis por parte de técnicos comprometendo a imagem do Taekwondo perante os supervisores da SELT, também houve algumas paralisações da competição por parte da SELT para organizar a quadra que constantemente era lotada por espectadores e membros das equipes, inclusive houve situação onde o próprio supervisor da SELT teve que conter entrada de técnico e atleta, solicitando pessoalmente o retorno deste pessoal às arquibancadas.Manifestações à parte, foi mais um dia de grandes e emocionantes combates, sem dúvida os Jogos Abertos do Interior de São Paulo firma-se como a principal competição do Taekwondo brasileiro em nível de qualidade técnica, participação de grandes atletas, chegando a ser, principalmente a 1ª divisão, uma competição de nível técnico superior à própria seletiva fechada da EOP.

Tivemos baixo assinado pelos técnicos dos municípios solicitando exclusão do arbitro Vinicius Garbelotti, mas foram recusados devido à falta de árbitros no evento. Pedimos a cooperação e a compreensão dos interessados para a situação, não comprometendo a continuidade das lutas nos jogos. As lutas das duas quadras foram paradas por num tempo pelo supervisor da modalidade para obter ordem no ginásio. A conduta dos técnicos precisaria melhorar para conquistar a boa imagem da nossa modalidade para a sua permanência nos JR_JAI.Os níveis técnicos foram superados por todos os aspectos. Realização inédita das lutas separadas entre 1ª e 2ª divisão dando certa a segurança aos atletas e motivação para os municípios. As lutas da 2ª divisão foram altamente técnicas e competitivas como 1ª divisão, onde tivemos atletas altos níveis e até do Exterior. Alguns municípios da 2ª divisão deveriam participar da 1ª divisão e vice e versa conforme nível técnico dos atletas demonstrados nos Jogos Regionais.
São Caetano levou a melhor tanto no masculino como no feminino, deixando Piracicaba em segundo entre as mulheres e São Bernardo entre os homens.
Natália Falavgnia venceu sem grandes dificuldades a categoria pesado para São Caetano, enquanto o medalhista pan-americano Leonardo dos Santos venceu no masculino.
Na mais esperada das lutas, os irmãos Vanceslau se enfrentaram na final da categoria médio com vitíoria de Marcio sobre Marcel. Diogo Silva, ouro no pan do ano passado e quarto em Atenas, levou seu título para São Caetano.

Tênis A competição feminina não contou com grandes nomes da atualidade nacional. A equipe de Tênis Feminino de Piracicaba conquistou o ouro da modalidade na categoria livre da 1ª divisão. A equipe venceu São Bernardo do Campo por 2 a 1, com sets de 2 a 0, 2 a 0 e 6 a 1.
No masculino, medalha de ouro para São Caetano do Sul, que contou com Ricardo Mello e Franco Ferreiro, além do reserva de luxo Flávio Saretta. Eles venceram Jundiaí na final.
Thiago Alves é natural de São José do Rio Preto. Já Flávio Saretta nasceu em Americana, enquanto Ricardo Mello é de Campinas. Nenhum deles, porém, defende sua cidade nos Jogos Abertos do Interior, em Piracicaba. Atraídos pelo lucro fácil da competição, os tenistas admitem somente que o "pagamento justo" os levou ao campeonato.
Na verdade, a temporada já acabou. Estou de férias há três semanas e estou aqui para jogar e ganhar uma grana. Você acaba jogando uns dois ou três jogos e recebe um pagamento legal. É difícil ver esse incentivo no Brasil e quando o calendário ajuda, dá pra conciliar", comentou Flávio Saretta, representante de São Caetano do Sul ao lado de Thiago Alves e Franco Ferreiro.

Tênis de mesa A equipe da ADR Itaim Keiko, de Guarulhos, tem 100% de aproveitamento nos jogos abertos e se encaminha para o 18o Titulo de melhor clube do ano da Federacao Paulista de Tenis de Mesa. Essa semana, conquistou todas as medalhas que disputou no tênis de mesa nos Jogos Abretos do interior, quebrando o seu próprio recorde na historia de Sao Paulo.

A direção do evento efetuou uma grande mudança, promovendo a divisão dos municípios em primeira e segunda divisões. O que fez com que mais cidades subissem ao pódio, contribuindo assim, para o fortalecimento do trabalho de base nas cidades. No caso do Tênis de Mesas a evolução foi significativa, pois 70 cidades jogaram as competições na 1ª divisão geral, sub-21 e na 2ª divisão geral, tanto no feminino quanto no masculino.

Disputar os Jogos Abertos do Interior significa ter a chance de estar lado a lado com grandes ídolos. Para os atletas do TÊNIS D E MESA, a experiência representa acompanhar, bem de perto, a performance de um ícone da modalidade. Hugo Hoyama, de 38 anos e recordista de medalhas de ouro em edições de Jogos Pan-Americanos, encerrou sua participação no campeonato nesta segunda-feira (17), com o título de campeão por equipe e o terceiro lugar no individual e nas duplas.Esses resultados são da 21ª participação de Hoyama em Jogos Abertos. - A primeira vez que estive nos Jogos Abertos foi no ano de 1983 e não joguei apenas umas três ou quatro edições. Apesar de todo esse tempo, venho sempre muito motivado para esse campeonato, onde represento a cidade de São Bernardo do Campo, que sempre me deu total apoio. Essa é a principal competição que disputamos e, por isso, me empenho bastante, - Contou Hugo.Estar em uma competição com um grande número de atletas de todo o estado, entre eles muitos novatos, dá a Hugo Hoyama a chance de ver uma nova geração surgindo no esporte. - Está aparecendo uma garotada muito boa. E o que me deixou contente nesta edição é que aumentou muito o número de cidades participantes na modalidade, principalmente na categoria sub-21. Isso mostra que o tênis de mesa tem sido mais procurado, - Comentou.

Vôlei de praia No feminino, a campeã olímpica de 1996 Sandra Pires levou a medalha de ouro, jogando ao lado de Tatiana Minelo. A jogadora elogiou o nível da disputa dos jogos, que está sendo uma mescla entre jogadoras experientes e jogadoras novas, e alguns times que jogam no Circuito do Banco do Brasil. Ela elogiou também a qualidade da areia e a recepção que está tendo por parte da organização e da torcida.
“Estou gostando de participar dos Jogos Abertos, a cidade está de parabéns, e é uma grande honra estar representando a cidade que está sediando o evento. Ontem havia uma torcida muito grande para nós, essa experiência está sendo muito legal”, comentou Sandra.
A atleta contou que esse é o terceiro torneio que está disputando com sua companheira e o último torneio que disputarão juntas, pois no próximo dia 21, Tatiana passará por uma cirurgia no ombro.No masculino, ouro para São José dos Campos e prata para Piracicaba.
Volei O Ulbra/Suzano comprovou que é um time de estrela nos Jogos Abertos do Interior. Com grande empolgação em quadra, a equipe do técnico Chico dos Santos superou o Santander/São Bernardo de virada na decisão, por 3 sets a 1 (16-25, 25-23, 25-19 e 25-16), e desta forma conquistou o bicampeonato no masculino.
Com um saque mais consistente, o time comandado pelo técnico Rubinho abriu uma boa vantagem no primeiro set, de 16 a 7. Depois disso, a equipe do ABC paulista só precisou manter a forma no ataque para fechar o primeiro set sem grandes dificuldades. O Suzano voltou mais concentrado no set seguinte e, pela primeira vez na partida, abriu dois pontos de vantagem. A seqüência renovou o ânimo do time, que permaneceu à frente do marcador enquanto o São Bernardo começava a errar com mais freqüência. Desta forma, a equipe do técnico Chico dos Santos fechou o segundo set e empatou o duelo. "Não adianta só lamentarmos. Ficamos insistindo nos próprios erros depois do segundo set e não conseguimos nos recuperar. Isso também fez eles crescerem no jogo, e o Suzano disparou de um jeito que ficou difícil de alcançar", lamentou Escadinha, citando a queda de rendimento do elenco após a vitória no primeiro set.O revés abalou o time do ABC. Com pouca criatividade no ataque, a equipe parou diante dos bloqueios do adversário e não obteve uma boa seqüência de pontos. Com o meio-de-rede Alberto inspirado, Suzano continuou com o domínio do jogo e impediu qualquer reação do São Bernardo até o fim do terceiro set. Conforme o jogo se aproximava do fim, a empolgação do Suzano também aumentava. Já o time de Escadinha voltou a abusar dos erros ofensivos e viu o rival abrir 13 a 7 em pouco mais de dez minutos. No fim, os atuais campeões só precisaram mostrar variação das jogadas pelas pontas para selar o triunfo
Ginásio lotado, calor e emoção até o fim. O evento mais aguardado dos Jogos Abertos do Interior atendeu às expectativas da torcida em Piracicaba. O Finasa/Osasco derrotou o arqui-rival São Caetano/Blausiegel na final do vôlei feminino por 3 sets a 1 (23-25, 25-22, 26-24 e 25-22) e com isso faturou o primeiro lugar da tradicional competição paulista. Em quadra, estrelas campeãs olímpicas como Mari, Sheilla e Fofão (São Caetano), Paula Pequeno, Sassá, Carol Albuquerque e Thaísa (Osasco) propiciaram aos expectadores um confronto de bom nível, mesmo sob o forte calor que assolou o interior do ginásio e o deixou com temperaturas de até 34°C.

2 comentários:

  1. Poxa colocar fotos dos Atletas de Karatê seria bom.
    Nunca colocam.

    ResponderExcluir