quinta-feira, 21 de junho de 2012

Países em Londres- Cuba

O esporte cubano está decaindo, mas não está morto. Apesar de algumas ausências bastante sentidas, como as das equipes de vôlei, o país vai com chances boas de medalhas em algumas provas e tem tudo para superar o desempenho da última Olimpíada, quando levou apenas dois ouros. O total de medalhas de Pequim,24, dificilmente será alcançado, mas os cubanos devem superar as conquistas douradas da China.

BOXE
O país não tem a mesma força de outros anos, mas vai com ótimas chances de medalha, com oito classificados em dez categorias.  Roniel Iglesias é medalhista olímpico, bronze em Pequim 2008. Outros foram campeões mundiais ano passado, Lázaro Alvarez e Julio Cesar de La Cruz. Tem também o sobrinho do tricampeão olímpico, Felix Savón, que não tem grandes resultados na categoria adulta, mas vai com chances nos pesados.

LUTA OLÍMPICA
Comandados pelo gigante Mijain Lopez, atual campeão olímpico e quatro vezes campeão mundial na categoria 120kg da luta livre, a equipe cubana deve ganhar de três a quatro medalhas na modalidade. Lopez foi prata no mundial do ano passado, mas aparece como favorito ao ouro pelo histórico de conquistas. Liván López e Pedro Mulens ficaram com bronze no mundial do ano passado. Outros tantos venceram sem grandes dificuldades o pré olímpico das Américas e vão chegar forte na Olimpíada.

ATLETISMO
Uma modalidade de tanta tradição no país, são 37 medalhas, 10 delas de ouro. Para Londres, existem algumas chances, mas menos do que em anos anteriores. O destaque é o salto triplo masculino, com três atletas que vão aos Jogos com boas chances de medalha. Lázaro Borges foi prata no salto com vara no mundial do ano passado, Guilhermo Martinez foi bronze no dardo e Leonel Suarez no decatlo.Yarelis Barios e Yipsi Moreno são presenças constante no pódio das principais competições nos últimos anos. No salto triplo feminino, Mabel Gay e Yargelis Savigne também estão muito bem nessa prova que tem tudo para ser uma das mais equilibradas de toda competição.

COLETIVOS
Pela primeira vez desde 1964, os cubanos não serão representados em nenhuma competição em esportes coletivos. Os principais times, os de vôlei masculino e feminino, apesar das recentes boas campanhas em competições internacionais ficaram sem a vaga. Os homens, vice campeões mundiais em 2010 e que estão muito bem na Liga Mundial, ficaram em quinto lugar na Copa do Mundo do ano passado, que dava três vagas. No pré olímpico das Américas do Norte e Central, perderam para os americanos por 3 a 1. Na última chance, no pré olímpico mundial, perderam por 3 a 2 para a Alemanha e ficaram de fora.

DE OLHO NO RIVAL
Judô
O judô feminino de Cuba tem menos investimento que o brasileiro, mas muito em função da tradição tem conquistado resultados tão bons ou mesmo melhores que o Brasil. O esporte com base escolar faz com que a seleção cubana seja uma das melhores do mundo, mas com pouca renovação.
No Pan de judô, disputado no Canadá em abril, as cubanas venceram as brasileiras em três categorias. Dayaris Mestre venceu Sarah Menezes, Yaritza Abel venceu Mariana Silva e Idalys Ortiz derrotou Maria Suelen. Como troco, Erika Miranda venceu Yanet Bermoy, na principal vitória brasileira na competição, Rafaela venceu Yurisleydis Lupetey, Maria Portela venceu Onix Cortês e Mayra derrotou sua rival cubana, que não é a altura.
Todas as brasileiras tem chances de medalhas e todas as cubanas são rivais muito fortes, menos Yenellenis Castillo, na até 78kg.
No masculino, Oscar Braysson perdeu a final do Pan de Guadalajara para Rafael Silva e briga pelo pódio nos pesados.

Na série Países em Londres, vou analisar as pretensões dos principais países do quadro de medalhas. Quando necessário, vou juntas alguns países e apresentar regiões do mundo. Objetivo é chegar até o dia 27 de julho tendo falado ao menos UM POUCO de cada um dos países.

Siga o blog no twitter: @brasilemlondres

8 comentários:

  1. Guilherme, acho que faltou Yarisley Silva nessa lista. Especialmente na parte "de olho no rival". Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente,acho que ela não é rival direto da Fabiana. Ela mesmo falou que objetivo dela é ficar entre as cinco primeiras..nem citou medalha...Já a Fabiana é campeã mundial...
      Tem atletas em Cuba com bem mais chances de medalha que ela..
      Mas enfim, opinião minha....Talvez queime a lingua..

      Abraços!

      Excluir
  2. Errado a informação pois Maria Portela venceu ônix córtex e ainda a Colômbiana medalhísta mundial

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já corrigido..e essa colombiana, a Alvear, ela já tinha vencido outra vez também.
      Obrigado!

      Excluir
  3. Guilherme só uma correção,não gosto de chato mas a Onix Cortes não venceu a Maria Portela,ela foi superada pela brasileira no pan do Canadá. abraço . @rafa_olimpico

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir